Entenda como o uso de máscara e equipamentos protetivos pode impactar na saúde e bem-estar de sua equipe

 

Preocupar-se com a saúde e segurança de seus colaboradores é dever de qualquer empresa, seja de pequeno, médio ou grande porte. Reforçar a importância do uso de máscara de proteção individual tornou-se ainda mais emergente diante a pandemia do sars cov-2, o novo coronavírus.

 

Sem contar que o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) é obrigatório também, principalmente em tarefas que representam algum tipo de risco à saúde humana no ambiente de trabalho.

 

Entenda a seguir, como a utilização de máscaras pode salvar vidas e por que as empresas devem investir em EPIs para os seus colaboradores.

 

 

Afinal, por que o uso de máscara é fundamental?

As máscaras devem ser usadas para minimizar e até mesmo evitar a propagação do vírus, seja em tempos de surto viral ou não. Isso se aplica aos profissionais da saúde que lidam diretamente com pacientes com enfermidades e outras pessoas infectadas.

 

O médico é responsável por atender o público, tanto em casos suspeitos ou confirmados do Covid-19. Mas além de usar máscaras cirúrgicas ou de proteção respiratória, ele deve se proteger com os seguintes EPIs no contato com casos suspeitos ou confirmados:

 

  • Óculos de proteção ou protetor facial;
  • Gorro;
  • Avental impermeável de mangas longas
  • Luvas de procedimento.

 

Já no meio de uma construção civil, por exemplo, a negligência com o EPIs infelizmente ainda é uma realidade. O Brasil ocupa a quarta posição no ranking mundial de acidentes de trabalho.

 

Cumprir as exigências do uso obrigatório e contínuo dos EPIs é a única forma de reduzir consideravelmente o número de incidentes de trabalho, além de reduzir os impactos destes.

 

A especificidade de cada item de proteção é definida de acordo com a natureza da possibilidade de perigo.

 

Além disso, o uso de máscara e EPIs garante o conforto e isolamento físico do corpo humano a condições que apresentem riscos de cortes, pancadas e torções, por exemplo. Protege de intoxicação por fluidos corrosivos e impede contaminações por bactérias e outras ameaças invisíveis.

 

 

Principais cuidados ao recolher a máscara após seu uso

Agora que já sabemos que as máscaras podem salvar vidas, saiba como colocar, usar, retirar e descartar uma máscara logo a seguir:

 

  • Evitar tocar na máscara com as mãos sujas, higienizando as mãos com água e sabão ou com uma solução à base de álcool;
  • Verifique se está rasgada ou com buracos;
  • Oriente-se qual lado é o superior, para melhor acomodação;
  • Assegure-se de que o lado correto da máscara está voltado para fora;
  • Coloque-a em seu rosto, cobrindo sua boca, nariz e queixo;
  • Após o uso da máscara, retire-a começando pelas presilhas elásticas por trás das orelhas, mantendo-a afastada do rosto e das roupas para não a contaminar;
  • Lave bem as mãos depois de tocar ou descartar a máscara, com água e sabão ou álcool em gel.

 

 

A importância do uso da máscara em tempos de Covid-19

Entre as medidas de proteção contra o coronavírus, o uso de EPIs é o mais seguro e eficiente para a segurança dos colaboradores dentro e fora das empresas.

 

É responsabilidade do empregador oferecer os recursos e treinamentos adequados aos colaboradores sobre o uso de máscara e a manutenção/substituição dos EPIs ao longo do tempo, segundo as especificações do fabricante.

 

As atividades que apresentam maior risco de contaminação dentro de um hospital estão relacionadas a procedimentos geradores de aerossóis, como intervenções, coleta invasiva de amostras biológicas, entre outros.

 

As condições de risco envolvem também colaboradores que não lidam necessariamente com ações que gerem aerossóis. Em um ambiente laboral, por exemplo, é essencial redobrar os cuidados em atividades de contato direto com pacientes, utensílios e objetos que possivelmente estejam infectados.

 

A transmissão do vírus ocorre rapidamente, tendo o período médio de incubação é de 5 dias, com intervalo que pode chegar até 12 dias. Os primeiros sintomas começam a se manifestar só depois da infecção em si.

 

Segundo o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), esse hiato pode variar entre 2 a 14 dias após a pessoa ser infectada. Logo, a transmissão ocorre, em média, até sete dias após o aparecimento dos sintomas.

 

Cada organismo reage de uma forma, logo, esse período pode acontecer antes do surgimento dos primeiros sinais também.

 

Aqueles que trabalham em hospitais, desde a equipe médica até a limpeza, precisam receber os artigos protetivos com base no risco biológico a que são expostos. Vale lembrar que o uso da máscara deve ser primordial nesses casos.

 

Sob nenhuma hipótese é permitido levar algum artigo de proteção exclusivo de no serviço de saúde para casa.

 

Para muitos, é considerada com acessório desnecessário. Mas em tempos de crise sanitária severa pela qual estamos enfrentando, o uso de máscara impacta na saúde e bem-estar de todos.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), evidências científicas apontam que por meio dela que se evita a propagação de partículas que são liberadas por indivíduos assintomáticos pelo novo coronavírus.

 

Faça sua parte e proteja-se de forma correta.